Blog

5

A análise de “Potabilidade” garante que eu posso beber a Água analisada?

“Potabilidade” é um conceito bastante amplo e que tem uma componente comercial e outra técnica. Comercialmente, os laboratórios de análises de água acabam entendendo uma análise de “potabilidade” como aquela que envolve alguns parâmetros físico-químicos e outros bacteriológicos e que servem como “indicadores” iniciais para se investigar se a água pode ser ingerida por seres humanos (potável). Contudo, esses parâmetros são, como dito, “indicadores”. Fazendo uma analogia com a área médica, numa primeira visita a um consultório o médico irá fazer exames “indicadores” de saúde tais como temperatura corporal e pressão arterial por exemplo. Se esses parâmetros estiverem alterados, ele irá recomendar exames mais complexos para investigar a causa. Com a água acontece a mesma coisa. Os parâmetros “indicadores” de potabilidade são aqueles que aparecem nos laudos que o mercado chama de “potabilidade”. Se todos estiverem dentro da norma, é provável que a água possa ser consumida por seres humanos. Contudo, é preciso fazer uma ressalva. Podem existir contaminantes críticos que não são analisados e nem identificados por esses parâmetros indicadores mais elementares. Por exemplo, os metais pesados, os pesticidas, os agrotóxicos. Isso significa que, mesmo uma água cuja análise de “potabilidade” está dentro da normalidade poderá conter contaminantes que não foram pesquisados nessa análise. Aí entra e cena o segundo conceito de potabilidade, que é o técnico. Na realidade, a Portaria 2914 do Ministério da Saude relaciona todos os padrões de potabilidade para água destinada ao consumo humano. Lá estão descritos, parâmetro por parâmetro, quais os limites aceitáveis para cada um deles. Dessa forma, a melhor maneira de se garantir a qualidade da água para consumo humano (que é o conceito mais amplo de “potabilidade”) é ter a certeza de que todos esses parâmetros estão dentro da normalidade. Obviamente e, até mesmo por questões de custos, não se recomenda realizar análises de parâmetros cuja ocorrência é praticamente impossível. Por exemplo, não se recomenda analisar rotineiramente agrotóxicos na água fornecida pela rede pública de abastecimento pois essa ocorrência não tem probabilidade significativa . Finalmente, entra em cena o senso crítico para que se pesquise, além dos parâmetros indicadores iniciais, outros parâmetros cuja ocorrência possa ser algo possível e relevante.

Na prática, se a análise de sua água apresentou todos os parâmetros indicadores de potabilidade dentro da normalidade, é muito provável que ela esteja apropriada para o consumo humano, especialmente se for uma água tratada e proveniente da rede pública. Apenas procure monitorá-la através de análises periódicas como medida de precaução que atingem também as condições dos reservatórios. Contudo, se a água for proveniente de poços, minas ou nascentes, recomendamos pelo menos uma vez ao ano uma análise mais detalhada dos demais parâmetros da Portaria 2914. Caso o poço seja de uso público, a legislação exige essas análises mais detalhadas periodicamente. Como visto, “potabilidade” não é um conceito exato ou “matemático” e exige uma parcela de bom senso para que seja bem aplicado.

Rogério Felisoni

Rogério Felisoni

Rogério Felisoni, engenheiro químico com especialização em engenharia sanitária, diretor técnico da COHESP – Controle Hídrico de São Paulo e membro da American Chemical Society, autor de inúmeras publicações sobre qualidade e tratamento de água, atuando como consultor e relator em dezenas de milhares de laudos de análises e pareceres técnicos em todo o Brasil. Ministra cursos e palestras na área de tratamento e monitoramento de qualidade de água para todos os segmentos da economia, em especial toda a rede hospitalar pública e privada.
Rogério Felisoni

    José Carlos da Costa | 10 de novembro de 2015 | Reply

    Qual o custo desta analise mais minuciosa para agua de mina.nn1

      Cleber Cerqueira | 5 de setembro de 2016 | Reply

      Tenho um poço em minha propriedade rural, mandei fazer análise e o resultado microbiológico mostrou 3 UFC/100mL de coliformes totais e não houve crescimento de E. Coli, sei que pela portaria a água não é potável, porém por não haver crescimento de E. Coli, posso utiliza-la para banho, por exemplo ? E o que fazer para trata-la (apenas cloro)?

        Rogério Felisoni
        Rogério Felisoni | 5 de setembro de 2016 | Reply

        Boa tarde Cleber,

        A ocorrência de coliformes totais em qualquer concentração indica água imprópria ao “consumo humano” e o uso em sanitários para banho ou escovar dentes por exemplo são aplicações consideradas de risco à saúde humana. Poatanto, o uso nao está recomendado e a providência é a desinfecção com cloro. Acesse nosso site e leia na seção de perguntas frequentes sore Desinfecção Inteligente e sobre como usar o cloro como desinfetante

        Obrigado por sua participação

    Vilmar Marques Magalhães | 15 de novembro de 2016 | Reply

    Boa noite, Rogério!
    Tenho poço semi artesiano, e fiz o análise da água com alta concentração de coliformes totais, ferro, etc, quais os produtos necessários para o tratamento dessa água usando uma caixa de 1000 litros de cada vez.
    Atenciosamente,
    Vilmar.

      admin | 5 de janeiro de 2017 | Reply

      Boa noite Vilmar,

      É muito difícil prescrever um tratamento de água sem ter o laudo de análises em mãos. Seria leviano de nossa parte fazê-lo dessa forma, como um médico que prescrevesse algum remédio mediante suas queixas por telefone. Pode até “dar certo”, mas é chute. Assim, se vc tiver o laudo de análises e puder compartilhar como nossos leitores nesse espaço, teremos o máximo prazer em auxiliá-lo. Em linhas gerais, recomendo que você acesse nosso site, no setor de Perguntas Frequentes, onde encontrará diversos cenários que podem orientá-lo por onde começar.

      Obrigado por sua participação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *